O fim de uma era

Oeiras já não é “mais à frente”. Como eu comecei a desconfiar no ano passado, após observar a substituição de uma série de ecopontos e a colocação de mais, e também mais recentemente ao constatar que por vezes não é feita a recolha porta-a-porta nalgumas zonas, este sistema em vigor há já 10 anos vai acabar.

Nos últimos meses deixei de ver as casas “todas” com sacos e montes de papel e cartão à porta, para a recolha, às 2ªs e 5ªs. Estranhei, mas não pensei muito nisso. O Bruno tem-se queixado de que em casa dele a recolha falha. Na minha também já aconteceu.

Agora veio a confirmação e a sentença final. No correio puseram-me um folheto informativo sobre os ecopontos e uma carta de aviso.

O folheto diz: “novos equipamentos de deposição de resíduos urbanos” (embora a substituição tenha sido há mais de 1 ano e os antigos me parecessem em bom estado…).

Folheto informativo sobre os ecopontos

Lá dentro ensina o que se deve pôr em cada ecoponto. Sugere ainda, para separar os resíduos em casa, usar sacos de plástico das compras, reutilizando-os. Têm ainda a amabilidade de nos informar de que a Tratolixo oferece um “recipiente doméstico apropriado” para as 3 categorias de resíduos recicláveis.

Folheto informativo sobre os ecopontos

(Chamo a atenção para o tamanho de um saco de plástico das compras típico, e para o tamanho do recipiente na imagem.)

Depois dirigem-se aos munícipes informando, nomeadamente, que:

O sistema porta-a-porta, apesar de ser prático, tem apresentado alguns inconvenientes em zonas de habitação colectiva, pelo que se considerou oportuno substituir este sistema pela colocação de ecopontos, indo ao encontro de muitos munícipes que consideram este equipamento mais adequado à deposição selectiva dos seus resíduos.

Folheto informativo sobre os ecopontos

Por fim, na carta dizem-nos:

Atendendo à problemática das questões ambientais relacionadas com a poluição, a CMO considera urgente a necessidade de minimizar o impacto causado pela constante passagem das viaturas de recolha na zona em que reside. Com o intuito de melhorar a qualidade de vida dos munícipes serão efectuadas alterações relacionadas com a recolha selectiva porta-a-porta, através do saco azul translúcido e dos contentores privativos azuis.

Aviso municipal

E avisam que a partir de 19 de Julho deixará de existir recolha porta-a-porta, passando a ser efectuada a deposição dos resíduos no ecoponto. ficou-me uma dúvida pela ambiguidade do texto: deixará de existir em todo o concelho ou só aqui nos desgraçados de Porto Salvo?

Alertam ainda:

Considerando que a preservação do espaço público é um bem comum, apela-se a todos os munícipes residentes neste local que não depositem o lixo doméstico junto dos ecopontos, de forma a evitar situações de lixo espalhado pelo chão.

Sabem o que eu acho? Tretas! É o que isto é.

1) Afinal qual é a razão: o folheto diz “inconvenientes em zonas de habitação colectiva”, a carta diz que é para “minimizar o impacto causado pela constante passagem das viaturas de recolha na zona” em que resido. Decidam-se.

2) Se é por inconvenientes em zonas de habitação colectiva porque é que vão acabar com o serviço aqui, uma zona essencialmente de vivendas?

3) Se é pelo impacto das viaturas de recolha que, aliás, não é “constante”, visto ser apenas 2 vezes por semana (!), e da poluição, onde está a preocupação da Câmara noutras medidas bem mais significativas na redução de impactos ambientais e sociais relacionadas com a mobilidade no concelho? Aqueles camiões 2 vezes por semana é uma gota no oceano de automóveis que todos os dias entopem as estradas do concelho. E esta súbita preocupação com este impacto pernicioso também se estende à recolha porta-a-porta do lixo normal? O tópico “alterações climáticas” agora serve para tudo, até para justificar medidas potencialmente contra o ambiente…

4) Será que acabar com os “inconvenientes” e/ou o “impacto dos camiões” não gerará outros inconvenientes diferentes e outros impactos? O inconveniente de ter que ir todos os dias ao ecoponto deixar meia-dúzia de embalagens (porque o saco de plástico é pequeno, e o recipiente-tipo da Tratolixo é minúsculo, e a merda da abertura dos ecopontos nos obriga quase a enfiar embalagem a embalagem!), e o impacto de ainda menos gente se dar ao trabalho de separar o lixo e ainda o ir depositar em pequenos sacos quase todos os dias.

5) «(…) se considerou oportuno substituir este sistema pela colocação de ecopontos, indo ao encontro de muitos munícipes que consideram este equipamento mais adequado à deposição selectiva dos seus resíduos.» A mim ninguém me perguntou nada! O “muitos” deve ser porque não foi a maioria. Nem podia ser! A recolha porta-a-porta é muito mais prática! E se isso fosse um problema nos prédios (se muita gente fizesse separação, acumular-se-iam muitos sacos à porta ou no caminho) os ecopontos já lá estavam para quem os quisesse usar!

6) As pessoas deixam os sacos no chão, encostados aos ecopontos porque ninguém os foi recolher a casa e sacos de 50 Litros de resíduos não passam pelas aberturas minúsculas dos ecopontos!!!

Não é por isto que vamos passar a ser slobs, mas, que merda!, só nos dão é mais trabalho! Não há pachorra pra este país.

Ah, e devemos andar a nadar em dinheiro, para substituir ecopontos bons por outros novos e mudar para um sistema que convida à preguiça quando o original tem apenas 40 % dos custos deste e é muito mais prático e eficaz. Mas não temos dinheiro para fazer passeios, paragens de autocarros em condições, estradas com bermas largas para facilitarem o uso da bicicleta, jardins, estacionamentos para bicicletas, etc, etc.

Yes, I’m pissed.

Esta entrada foi publicada em ambiente com as tags , , , . ligação permanente.

4 Responses to O fim de uma era

  1. bluey diz:
    Mozilla Firefox 2.0.0.4 Ubuntu Linux

    Oeiras está tão “mais à frente”, como em Barcarena “se respira”. E isto é em caciquismo e subdesenvolvimento.

    Acho que a próxima medidas para melhorar a qualidade de vida é reestruturar a via de ligação Paço d’Arcos ao Cacém e torná-la utilizável por todos os munícipes. Acabar com a possibilidade de haver corridas, e pôr os gajos que destroem as rotundas e rails todos os fim-de-semana, a repará-los com as próprias mãos (já que ninguém o faz)!

    Além disso fazer paragens de autocarro e acabar com os postes no meio do nada, em vez de andar a ajardinar a merda das rotundas!

    Podiam também fazer os necessários passeios a ligar as localidades para que as pessoas não tenham que andar nas bermas com riscos de serem colhidos a qualquer momento. Isto acompanhado com os rebaixamentos adequados e supressores de velocidade nas estradas.

    Além disso arranjar forma de fixar os trabalhadores dos fantásticos e mais que ‘praised’ centros de tecnologia no concelho para que não venham todos os dias de Lisboa entupir as vias todas.

    Estes gajos são uns tretas. Já chega!

  2. vtrain diz:
    Mozilla Firefox 2.0.0.4 Windows XP

    Estou estupefacto 🙁

  3. Mozilla Firefox 2.0.0.3 Ubuntu Linux

    Yah…

  4. Pingback: Tab clearing at b a n a n a l o g i c

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.