A onda do eco-consumo e outras nuances de greenwashing (da consciência ou do marketing)

O João Nunes enviou este vídeo para a lista da MC, um grande achado:

É uma onda em grande expansão no Ocidente e, embora possa ser bem intencionada, os seus seguidores podem incorrer em algumas armadilhas de raciocínio. A sustentabilidade EXIGE um redimensionamento das nossas necessidades. O tamanho das nossas casas (e o número delas que possuímos!), o tamanho e outras características do carro que temos e/ou conduzimos (e o número deles!!), a quantidade de electrodomésticos consumidores de matéria-prima e de energia, as deslocações que fazemos e por que meios as fazemos,…

Um estilo de vida com uma casa principal e sei lá quantas de férias, não sei quantos carros, mesmo que seja uma “eco-casa”, uma moradia de várias centenas de m2 não é “verde”. Um SUV tipo tanque nunca será “verde” mesmo que seja híbrido. Ter a casa cheia de tralha secundária não é verde mesmo que essa tralha seja feita de “eco-materiais”…

A sustentabilidade passa por ter menos e usar menos, e só depois, e aí sim, aquilo que temos e usamos ser feito de materiais reciclados e/ou recicláveis, não tóxicos nem a jusante nem a montante, e sempre que possível fabricados localmente, com materiais locais. O american way of life (tudo em versão XXL) não é sustentável mesmo que seja “eco”.

Beware of marketing greenwash (and its sins), but also of your own conscience’s greenwash…

Esta entrada foi publicada em ambiente, sociedade com as tags , , , , , . ligação permanente.

2 Responses to A onda do eco-consumo e outras nuances de greenwashing (da consciência ou do marketing)

  1. Pingback: As ramificações do problema do pico do petróleo at b a n a n a l o g i c

  2. jorge diz:
    Mozilla Firefox 2.0.0.12 Windows XP

    Foi o post que encontrei em que a minha sugestão poderia ser menos offtopic.

    Acho que pode valer o esforço. Mal não faz…
    http://www.earthhour.org/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.