“O carro roubou-me a rua”

Esta peça emitida hoje no Jornal da Noite da SIC (aos 17min25s) é surpreendente. A começar pelo título. Não é todos os dias (nem todas as semanas ou sequer todos os meses…) que se ouve alguém a ousar criticar o papel do automóvel em Portugal.

Contudo, achei isto um bocado “morrer na praia”.

Para ilustrar este roubo da rua pelo carro, resolveram “mostrar-nos Lisboa através de duas perspectivas diferentes, a de um incondicional adepto da bicicleta, e a de uma adepta do automóvel”.

  • homem, 34 anos, vive sozinho e sem filhos a 4 Km/12 minutos do local de trabalho, no centro de Lisboa, vai de bicicleta, nunca teve carro e usa um esporadicamente (tipo 1 vez por mês), quando se justifica
  • mulher, 39 anos, com um filho, vive noutro concelho, do outro lado do rio, no Montijo, a ~45 minutos de carro / 90 minutos de transportes públicos, e “sempre teve carro”

O que é suposto tirar daqui, no fundo? Deste contraponto de ciclista urbano de 4 Km vs. automobilista inter-urbano de 40 Km?

Quantas pessoas vivem a 4 Km do emprego e vão de carro (e não de bicicleta, como o Miguel)? Não seria interessante mostrar um caso desses? Estou certa de que seria super-fácil encontrar carradas de exemplos… A nível europeu diz que 50 % das deslocações de carro na Europa são em distâncias de menos de 5 Km.

Quantas pessoas vivem a 30-40 Km ou mais do emprego e não vão de carro (ao contrário da Marta)? Não seria interessante mostrar um caso desses? Eu até conheço dois, um commute bicleta + autocarro Expresso entre Torres Vedras e Lisboa, e outro de bicicleta+comboio entre Alverca e Paço de Arcos.

Se a jornalista se lembrou de perguntar ao Miguel “nunca sentiu necessidade de ter um carro”, por que não lhe ocorreu perguntar à Marta se já ponderou não ter um carro (os táxis e os carros emprestados e as boleias de amigos ou vizinhos, etc, existem para as “urgências” que ela refere) ou tê-lo mas usá-lo menos?

Se a jornalista ouviu sem questionar a justificação do uso do carro pela Marta “para poder fazer as compras a caminho de casa”, e depois confrontou o Miguel com essa suposta dificuldade logística para um ciclista, por que não perguntar à Marta, que tem uma profissão sedentária (arquitecta) como é que ela faz para incorporar alguma actividade física mínima que seja no seu quotidiano?

Realmente interessante teria sido mostrarem 4 casos, urbano vs. inter-urbano e carro vs. não-carro. Mas enfim, de qualquer modo foi uma boa peça, com boas intervenções.

Esta entrada foi publicada em automóveis, bicicletas, mobilidade, sociedade, videos com as tags , , , . ligação permanente.

2 respostas a “O carro roubou-me a rua”

  1. miguel diz:
    Mozilla Firefox 16.0 Ubuntu Linux

    boas questões que levantas, as que faltaram na comparação carro vs não-carro.
    é muito difícil sair do mindset do automóvel

  2. Dário diz:
    Mozilla Firefox 17.0 Windows 7

    Realmente os exemplos nao foram os melhores, mas ja foi uma pequena ousadia para uma televisao como a sic, deve ser por a bicicleta estar a tornar se moda.lol
    Relamente algumas ruas em Lisboa sao umas autenticas auto-estradas.
    Resumindo Marta sedentaria e com pouco dinheiro no final do mes , e Miguel em forma e feliz..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.