Massa Crítica histórica!

IMGP9693.JPG

Éramos quase 200 nesta Massa Crítica, a comemorar 6 anos de presença em Lisboa, assinalados com uma Festa no final.

Às voltas no Marquês:

O batalhão:

Chegada às Portas do Sol:

Foi um momento especial, fizémos, vivemos, presenciámos a história a ser escrita. Foi uma sensação fantástica. Pensar que pela primeira vez, a maioria das caras são-nos totalmente desconhecidas. O movimento extravazou as fronteiras do activismo! 😀

Vídeo do Xavier:

Vídeo do Casaínho:

No Jornal de Notícias foi publicado um artigo sobre esta MC.

IMGP9695.JPG

Mais fotos e vídeos aqui. E aqui e aqui. Outro relato aqui, outro aqui e mais um aqui.

A MC é uma contradição em si mesma. Um paradoxo. Pretende celebrar o uso da bicicleta na cidade, dar-lhe visibilidade, dizer “nós existimos”, enfatizar que as bicicletas não atrapalham o trânsito, que as bicicletas são trânsito. É uma manifestação de força também, de uma certa forma, principalmente quando atinge números de participantes significativos (a partir de 50, por aí). Mas por outro lado, a MC, para funcionar, para ser realmente uma Massa Crítica, um bloco único e coeso de ciclistas, tem que infringir uma regra do CE e da cortesia na estrada. Falo dos semáforos e outras situações de cedência de passagem.

Quanto maior o grupo mais inevitável é que o grupo continue a passar, coeso, mesmo quando o sinal fica vermelho. Se não o fizer, haverão carros a introduzir-se no meio do grupo, acabando por fracturá-lo e afastar os sub-grupos entretanto formados. Isto diminui a segurança e a comunicação dentro da MC, e a sua visibilidade, e acaba por ser menos eficiente em termos de fluidez global do trânsito do que se o grupo seguir todo em pelotão. É neste contexto que se faz o “corking“, em que alguns elementos da MC se posicionam nos cruzamentos de modo a 1) barrar temporariamente a passagem aos veículos que querem atravessar ou entrar e que entretanto ficaram com o sinal verde, e 2) ao mesmo tempo explicar aos motoristas do que se trata e divulgar a MC. Para o corking ser eficaz é importante que o pelotão não se disperse ao passar pelo cruzamento semaforizado, que siga coeso, para não atrasar a passagem do grupo e demorar desnecessariamente as pessoas que aguardam essa mesma passagem, e para não enfraquecer a posição dos “corkers“.

As paragens nas passadeiras para peões, semaforizadas ou não, também podem introduzir buracos na MC e fragilizá-la, mas é uma situação mais fácil de gerir porque a comunicação entre ciclistas e peões é mais próxima, e o cruzamento dos dois fluxos é mais fácil e rápido.

Há dois princípios básicos na MC que raramente precisam de ser sacrificados: 1) não interferir com os transportes públicos (não circular no corredor BUS, não atrapalhar nas paragens, etc) e 2) não prejudicar os peões (não circular pelos passeios, ceder passagem sempre que possível, etc).

De resto, e dado o contexto da MC, muitos ciclistas e trânsito de hora-de-ponta, não há razão para haver problemas. O facto de circularmos em pelotão, com mais que uma fila de bicicletas em cada via, não constitui uma infracção, pela minha interpretação do CE.

O CE diz-nos que:

1) Numa faixa de rodagem em que sejam possíveis 2 ou mais filas de trânsito no mesmo sentido, devemos transitar pela via mais à direita. [Art. 14]

2) Se não houver lugar nessa via ou se quisermos ultrapassar (ou mudar de direcção), podemos usar outra via mais à esquerda. [Art. 14]

3) A ultrapassagem deve fazer-se pela esquerda e de forma a que dela não resulte perigo ou embaraço para o trânsito. [Art. 35 e 36]

4) Todo o condutor deve, sempre que não haja obstáculo que o impeça, facultar a ultrapassagem, desviando-se o mais possível para a direita e não aumentando a velocidade enquanto não for ultrapassado. [Art. 39]

5) Quando o volume de tráfego é tal que todas as vias de trânsito estão ocupadas e a velocidade de cada veículo está condicionada pela dos que o precedem, usar outra via além da mais à direita não é considerado ultrapassagem. [Art. 42]

Posto isto, haver 2 ou 3 filas de bicicletas a circular numa mesma via, em contexto de trânsito (de bicicletas e geral) intenso não me parece que se configure como uma infracção sob o Art. 90. Mas eu não sou jurista para poder dar algo mais que a minha opinião pessoal…

Bom, tudo isto para dizer que, atingi a maturidade como participante da MC. Aprendi a aceitar a contradição intrínseca que ela constitui. A MC são apenas 2 horas nas 730 horas de cada mês. Isso é 0.3 % do tempo. Atrasar os motoristas por 2 ou 5 minutos para nós não ficarmos separados num semáforo não é pedir nada de mais, especialmente à hora de ponta. Se aceitam como se fosse uma inevitabilidade a demora do trânsito devido aos congestionamentos causados pelos automóveis, podem perfeitamente aceitar essa demora pela passagem de bicicletas (por isso a sensibilização feita pelos corkers é essencial).

Antes preocupava-me porque este pequeno abuso poderia dar má imagem aos ciclistas, que já sofrem dela à partida. Hoje acho que a visibilidade que a MC dá aos ciclistas, e a oportunidade única que ela constitui para os ciclistas novatos experimentarem circular pelas estradas na cidade com uma sensação de segurança que não conseguem ter sozinhos, é mais importante que quaisquer outros efeitos colaterais menos positivos.

Quando este paradoxo deixar de ser tolerável é porque a MC já não será precisa, já não fará sentido.

Esta entrada foi publicada em mobilidade, sociedade, videos com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

5 Responses to Massa Crítica histórica!

  1. Internet Explorer 7.0 Windows XP

    Boa…
    A questão da imagem negativa do ciclista é sempre muito subjectiva. Muita gente fala ao telefone, estaciona ilegalmente, anda em velocidade excessiva, não pára em passadeiras e depois porque um ciclista não pára numa viragem à direita num cruzamento com o vermelho é um alto prevaricador?? Eu até acho que os automobilistas não fazem isso porque o carro não cabe ;O) (estou a brincar, o facto de outros prevaricarem não é razão para eu fazer o mesmo). A caminho de minha casa há um semáforo que tem um timming péssimo para bicicletas. Eu nunca o consigo passar à primeira, tenho que parar a meio….estou em incuprimento da lei? Se formos pela imagem do outro ganha sempre a maioria…dá jeito!
    beijo

  2. Mozilla 1.9.1.4pre Ubuntu Linux

    O problema é que os motoristas são a maioria, e os ciclistas são uma minoria, já são um out-group à partida, mesmo quando seguem as regras. É muito mais fácil as infracções de um darem má imagem a todos.

  3. Pingback: Hoje é dia de Massa Crítica « b a n a n a l o g i c

  4. Pingback: Festa de aniversário da Massa Crítica « Blog da Cenas a Pedal

  5. Pingback: Hoje é dia de descer o Túnel do Marquês numa ‘chaise longue’ a pedal « b a n a n a l o g i c

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.