Down Memory Lane

Quase enchi a caixa em que veio a minha Mobiky com papel: folhas de cadernos, apontamentos, fotocópias de livros, relatórios, etc, etc, tudo dos 7 anos de universidade:

7 anos de papel para reciclar 7 anos de papel para reciclar

Vai tudo para reciclar. Perguntam vocês, “mas porquê”? Porque preciso de espaço e aqueles papéis não me trazem boas memórias, pelo que não faz sentido guardar todos aqueles dossiês. Fiz um overhaul à minha cave/garagem nos últimos dias, e muita coisa foi fora, essencialmente papel para a reciclagem. Eu tenho o hábito de guardar as coisas. Mas comecei há uns anos a sentir que ter livros (de escola, infantis, etc) guardados onde mais ninguém ia usufruir deles não fazia sentido. De nenhum ponto de vista. E dei uma batelada de livros. Pois ainda encontrei mais uma data deles, entre meus e da minha irmã (alguns já estavam de lado há muitos meses, para mais uma doação). Vou dá-los também, um dia destes. Já os pus de lado. A custo, lá decidi também dar toda a minha colecção de livros de quadradinhos. E de livros infanto-juvenis como a colecção “Uma Aventura” (tinha todos), o Clube das Chaves, e outros avulsos. Custa-me desfazer-me de livros, ainda mais daqueles de que gostei tanto. Quando saía mais um da “Uma Aventura” ia logo comprá-la, chegava a casa, deitava-me sobre a cama a lê-lo e devorava aquilo em menos de 2 horas. Mas se eu os tirar da cave talvez outros miúdos cresçam com eles, a gostar de ler. 🙂 Tenho várias caixas de livros para dar, resta-me decidir a quem. Uma tarefa para quando tiver um tempinho livre.

Ao revolver tanta tralha encontrei uma coisa que há muito julgava perdida: a minha pasta de criações de moda. 🙂

Reminiscências da adolescência
(Não acredito que não me dignei a fazer uma capa minimamente decente! 😛 )

Quando tinha 13 anos, durante as férias de Verão passadas no monte da avó, no Algarve, deu-me para desenhar roupa. Coloquei uma pseudo-Barbie da minha irmã sobre uma folha de papel e desenhei os contornos da boneca. Depois fiz os ajustes. O resultado foi este, que me serviu de base para os desenhos posteriores:

Modelo base

Fiz imensos modelos, cerca de 100 (em dois verões, 94 e 95), de fatos de banho, vestidos de noite, etc. Exemplos:

image000246_pg2.jpgimage000248_pg2.jpgimage000249_pg11.jpgimage000250_pg4.jpgimage000250_pg18.jpgimage000250_pg22.jpgimage000250_pg26.jpgimage000250_pg28.jpgimage000250_pg33.jpgimage000250_pg38.jpgimage000252_pg6.jpgimage000250_pg32.jpg

O meu estilo era muito a la Fátima Lopes, muitos buracos na roupa e carne à mostra. 😛

Não sei porquê, mas lembro-me que algures entre o 9º e o 12º anos, eu me considerava uma pessoa “não criativa”. Não sei por que tinha esta ideia, mas lembro-me de pensar isso. À medida que fui ficando mais velha, apercebi-me que até sou uma pessoa criativa, o que me surpreendeu bastante. Será que tem a ver com a sensação de “liberdade” para criar? Para arriscar, errar, sujeitar-me ao ridículo? Na escola não me considerava criativa, desenhava roupa, móveis e casas, construía cenas, em casa, nunca “em público”. Talvez fosse medo do ridículo, do fracasso. Até ao 12º ano sempre fui “top of the class” e isso criava expectativas nas outras pessoas, nomeadamente nos professores. Não tinha que me esforçar mais para as corresponder, mas sentia o desejo e a obrigação de não falhar nessas mesmas expectativas. E o nosso sistema de ensino não ensina nem fomenta a criatividade. Baseia-se em absorver informação e debitar respostas a seguir. Para mim isso era fácil, pois tinha boa memória (nos testes, eu via cada página dos livros na minha cabeça, quase bastava lê-las) e uma cultura geral muito avançada para a minha idade (resultado de ser uma ávida leitora e consumidora de cinema e TV). Os meus bons resultados nunca foram resultado de grande esforço e trabalho, mas sim de concentração nas aulas e leitura e sessões de decorar texto nas vésperas dos testes. A excepção eram os trabalhos e relatórios, que obviamente requeriam trabalho e onde sempre me esforcei e esmerei para os fazer o melhor possível. Na faculdade foi tudo ao contrário. A minha outrora reliable memória e capacidade de concentração esfumaram-se, e tudo era incrivelmente difícil. Nunca trabalhei e estudei tanto na minha vida. Não sei como não tenho o sistema nervoso queimado também, além de largos milhões de neurónios que foram sendo “implodidos”. 😛 Ah, enfim, já me disperso. 😉

Há dois livros que não consigo dar, não sei porquê inspiram-me uma sensação especial. São livros especiais, por algum motivo:

"Fadas, duendes e gnomos""O homem alto, a mulher baixinha"

Não sei se já tinha mencionado isto aqui, mas o meu gosto pela leitura e subsequente facilidade em escrever e os bons resultados escolares daí derivados, devem-se à minha mãe. Desde que me lembro de ser gente que ela nos comprava livros, nos lia histórias à noite, e muitas vezes simplesmente nos contava histórias que ia inventando à medida que ia falando. Ela sentada no meio das nossas camas, de luz apagada (só a luminosidade que vinha da sala, pela porta aberta), nós debaixo das mantas, e ela a contar-nos histórias absolutamente malucas e mirabolantes, são das memórias mais marcantes e prazenteiras que tenho da minha infância. A nossa minúscula casa para 4 estava cheia de dezenas e dezenas de livros do meu pai e da minha mãe: economia, política, filosofia, etc, etc. E sempre houve jornais e revistas em casa. Agora que penso nisso, eu cresci no meio de cenas para ler, está-me no ADN. 🙂 E sinto (e tenho lido artigos científicos a atestar o mesmo) que esse contexto foi determinante nas minhas capacidades intelectuais anos mais tarde, e pela vida fora. Não é só a matemática que “ginastica” e desenvolve o cérebro. Ler é fundamental.

Ainda encontrei outras cenas velhas giras, relacionadas com bicicletas, mas isso fica para outro dia. 😉

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as tags , , , , , , . ligação permanente.

1 Response to Down Memory Lane

  1. sad diz:
    Mozilla Firefox 3.0.15 Ubuntu Linux

    cool…vim apartir do google…ehehehasd

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.