Activismo d-eficiente

O José Lima, um Eng. Electrónico que trabalhava no sector dos elevadores e que ficou paraplégico há 10 anos devido a um acidente de trabalho, iniciou em Agosto deste ano uma viagem de 788 km pelas estradas nacionais, numa cadeira de rodas transformada em handcycle, para chamar a atenção para os problemas de falta de acessibilidade dos espaços e serviços públicos e de descriminação no mercado de trabalho (está desempregado há 3 anos).


[Reportagem emitida na RTP, no dia 28/11/2007.]

A descriminação no emprego é algo que não compreendo, se o trabalho for “de secretária”, que diferença faz se a pessoa anda de cadeira-de-rodas ou não? A falta de acessibilidade e mobilidade destas pessoas é algo que eu não consigo perceber nem aceitar. É ultrajante. E pior ainda é ouvir as pessoas clamar pelo Estado, quando as pessoas, os cidadãos e as empresas têm responsabilidade nisto. Têm o poder de tomar a iniciativa de fazer as coisas bem, independentemente do Estado e das suas leis, Nós podemos fazer melhor do que a lei nos pede. Claro que dava jeito que as “autoridades” não nos cortassem as pernas nem dificultassem estas iniciativas. Tipo as Câmaras Municipais…

Mas quem faz isto a 30 % da população são os outros 70 %, nos seus cargos no Estado, em empresas grandes, pequenas e micro, e no seu dia-a-dia. Não nos iludamos, somos nós, primeiro que tudo, que perpetuamos esta vergonha. Nós, a nossa família, os nossos amigos. E é por aí que a mudança virá, se vier…

Esta entrada foi publicada em mobilidade, videos com as tags , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.