Cenas óbvias

Pelo nosso Código da Estrada, uma pessoa em cadeira-de-rodas é equiparada a um peão. Isto significa que deve circular pelos passeios sempre que estes existam e que não pode circular nas ciclovias. E isso até poderia fazer sentido, mas num país onde quem constrói as infrastruturas tivesse dois dedos de testa e alguma consideração pelos outros. Até lá, é óbvio que uma pessoa com qualquer coisa com rodas vai preferir o piso liso da ciclovia ao piso irregular e rugoso dos passeios em calçada, já para não falar da falta de desnivelamento, rampas, nos acessos aos passeios…

De cadeira-de-rodas na ciclovia da Quinta do Marquês, Oeiras

Esta entrada foi publicada em mobilidade com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.