Um dia que começou bem e acabou mal – parte II

Mais tarde, já em casa, finalmente eu e o Bruno íamos começar a ver o filme. Agora tenho que explicar como fazemos isso em minha casa.

Eu tinha um leitor de cassetes de video VHS. Até há uns anos era nele que eu via as centenas de filmes que alugava. Depois pifou pela terceira ou quarta vez e ficou em águas de bacalhau uns tempos. É que nós somos do tipo de pessoas de tentar arranjar antes de ir comprar um novo e fazer lixo ao mandar o velho fora. Mas neste caso a despesa com arranjar mais uma vez este já começava a ser ilógica. Entretanto o Bruno emprestou-me um que ficou cá durante uns meses. Neste meio tempo o VHS tornou-se obsoleto e os clubes de video acabaram completamente com os filmes em cassete, generalizando o DVD. Mas eu não tinha um leitor de DVD e nem tinha dinheiro para ir comprar um (ainda eram muito caros, e também não sou de comprar chinesices baratas que deixam de funcionar no dia seguinte). E fui adiando. Entretanto comprámos o portátil, com leitor de DVD. E desde essa altura e até agora era através desse leitor que víamos os filmes. Levávamos o portátil prá sala, ligávamo-lo à TV, e víamos o filme. O SO era o Ubuntu. Em Windows seriam necessários programas próprios, pagos, concerteza. E nem sei se deixariam ver o filme. Em Linux há vários programas que permitem ler o DVD.

Estaminé para poder ver filmes em casaEstaminé para poder ver filmes em casa

Bom, este sistema tem funcionado até agora. Já tivémos um ou dois DVDs que deram problemas antes. Um conseguia ler mas a imagem congelava de 5 em 5 minutos. Outro não deu mesmo para ler. Dessa vez fui ao video clube (no Centro Comercial Palmeiras) e reclamei. Mas acabei por pagar o filme que não tinha visto.

Desta vez o DVD também não funcionou. Testámos dois leitores. O problema não é do DVD (não estava sujo nem danificado). O que acontece é que tem erros propositados para impedir que seja lido em leitores integrados em computadores. Isto é por causa da luta contra a pirataria. Ora, eu não ia copiar o filme. Ia apenas vê-lo. Paguei-o e tenho o direito a assistir ao filme como qualquer outra pessoa.

NADA no Oásis Video Clube, NADA nas caixas de DVD deles, e NADA no próprio DVD indicam os requisitos mínimos para este funcionar correctamente.

Caixa dos DVDs do Video Clube Oásis - frenteCaixa dos DVDs do Video Clube Oásis - verso

Caixa dos DVDs do Video Clube Oásis - interior, topoCaixa dos DVDs do Video Clube Oásis - interior, fundo

Em lado algum é dito que não se pode ver o DVD em leitores de computador. Em lado algum é dito que os DVDs só funcionam em leitores de DVD independentes.

DVD Sony do filme

Claro que o DVD tinha que ser da Sony…

É um DVD. Qualquer leitor de DVD lê… um DVD!!!! Ora os cabrões da Sony lixam o consumidor introduzindo erros no DVD para que este não seja lido num leitor qualquer. Mas claro que não informam o consumidor disto. Quam não souber o que se passa sugiro que procure saber, porque os gajos das indústrias do audiovisual e da música estão on a quest to screw the consumer and screw the fans. Procurem na web por DRM (Digital Rights Management)…

Ficámos sem o nosso serão de cinema enrolados no sofá. Grrrrr!

No dia seguinte, domingo, lá voltei ao Video Clube para devolver o filme. Até esse momento andei ansiosa, porque sabia que ia levantar problemas, e haver confronto. E eu detesto confrontos. I really suck at them, usually. Mesmo que a razão esteja do meu lado, o que não falta por aí são imbecis sem capacidade argumentativa nem inteligência mas com muita autoconfiança e linguagem corporal de intimidação. Por isso prefiro discussões escritas, onde só valem as ideias, as palavras, a capacidade de raciocínio e argumentação, independentemente de intimidações subliminares e tons de voz agressivos.

Adiante. Estava um dia lindo, aliás, uma tarde linda, em Oeiras. 🙂 Soalheira, calma, silenciosa. Levei o carro até à Estação de comboios e estacionei quase no mesmo sítio do dia anterior. Saquei da Mobiky e pus-me a caminho. Voltei a fotografar o estacionamento das bicicletas (de dia vê-se melhor ;-)). Havia uma bicicleta cujo dono preferiu prendê-la a um posto em frente à PSP, do outro lado da rua.

Estacionamento para bicicletas junto à estação de comboios de OeirasBicicleta presa a poste em Oeiras

Não havia carros nos sítos de estacionamento (e nos passeios e afins) e o trânsito era quase nenhum. Parecia um universo paralelo relativamente aos dias “úteis”. 🙂

Carfree perspective

E lá fui eu, de bicicleta, a curtir o sol, a tranquilidade, a viagem. 🙂

Enjoying my ride on Mobiky :-)

Cheguei ao video clube, fechei a bicicleta e entrei com ela ao lado, até ao balcão. E expus a situação. O rapaz disse que era “dos DVDs vermelhos”, às vezes não davam. E se tinha experimentado limpar o DVD (esta é um clássico). Eu expliquei que o problema era os DRMs e que sabia que a culpa não é do video clube, mas que também não era minha. E se eles não têm aviso nenhum eu não posso ser culpada e pagar por um produto/serviço defeituoso. E o rapaz sugeriu-me comprar um leitor de DVD, “que já há uns muito baratos”. Pormenor: eu já tenho um leitor de DVD, ok? Está no meu portátil! E depois ainda começou com uma conversa a dizer que os DVDs são para ser lidos em leitores de DVD, e que ler no computador pode fazer o jeito às vezes mas que não é para ler lá. What the fuck?! Quem disse que não é para ler lá?! É um leitor de DVDs!

Depois de muito blá blá blá, e de eu perceber que eles, apesar de esta indústria ser o seu trabalho, não sabem do que eu estava a falar (DRM, políticas e polémicas da Sony, etc), e de eu ter sugerido que o que eles podiam fazer era colocar um aviso para as pessoas tomarem decisões informadas (não responderam sim nem não)… o rapaz suspendeu-me a conta e eu pedi o livro de reclamações.

Reclamação de 19/11/2006 no Oásis Video Clube em Oeiras

Eles disseram que aquilo não servia de nada e que eu tinha era que reclamar com a Sony. Têm razão. Mas se eles não informam os seus clientes eles também são imputáveis. Lá fiz a reclamação. E posso riscar um video clube da minha lista, porque eu NÃO VOU PAGAR por um produto que não funciona. Além disso, se os filmes deles não funcionam não me serve de nada ter conta lá. Nunca sei quando vou perder o meu tempo e gastar gasóleo a deslocar-me lá para escolher um filme e depois chegar a casa e aquela porcaria não funcionar!

Se eu quisesse piratear eu não ia ao video clube pagar pelo DVD! Bastava sacar a merda do filme da net! It’s right there, completely available and FREE! Deu mesmo vontade de sacá-lo e pronto. Dumb fucks!

Fiquei orgulhosa de mim própria com esta situação. Porque fiz alguma coisa em vez de ceder ao nacional-porreirismo que nos deixa a todos nesta merda de atraso de vida ad eternum. E porque consegui manter uma discussão calma, educada, coerente. Fui articulada e não me deixei intimidar nem cedi. O nervosismo passou. 🙂

Resolvi aproveitar the adrenalin rush e consequente autoconfiança súbita e desloquei-me ali ao lado ao Centro Comercial das Palmeiras, para resolver a questão do “Regulamento”. Não há Regulamento algum exposto nem disponível para apresentar aos clientes. Acho que isto é ilegal, mas tenho que tentar esclarecer. E na porta não há indicação nenhuma de proibição de bicicletas.

Porta principal do Centro Comercial Palmeiras

Pedi um contacto para falar com a tal Administração. O rapaz lá me deu um telefone e disse pra ligar para ali que “eles depois passam à Administração lá em cima”. ?? Pedi uma morada para poder enviar uma carta. Lá foi o rapaz escrevinhar novamente no papelinho. Falei com ele e expliquei a Genius. Perguntei porque não deixavam entrar com ela. Ele não soube responder, disse serem ordens da Admin… Eu perguntei, “mas então onde é que eu a deixo?” Ele disse “lá fora”. E eu perguntei “onde, se vocês não têm estacionamento para bicicletas?!”. Ele disse que “ah, as pessoas costumam deixá-las ali fora, presas à coisas”. Riiiiiight!

Bicicletas à entrada do Centro Comercial Palmeiras, em OeirasFrente à entrada do C. C. Palmeiras

Que simpáticos. Os automóveis têm todos os lugares preparadinhos, os estúpidos que venham de bicicleta que as deixem aí presas a qualquer sítio, no meio do caminho. Mas a minha questão é que uma bicicleta dobŕavel não tem que ficar na rua, a ideia é mantê-la connosco. Se eles não ma deixam levar deviam ter um serviço de bengaleiro/cacifo, não? Que gente mais atrasadinha…

Vou ver se consigo enviar a carta prá Administração para esclarecer isto. Mas se tiver que lá ir entretanto acompanhada da Mobiky, estou-me lixando. Se me quiserem impedir mostrem-me primeiro o Regulamento ou chamem a polícia. A ver se a malta abre a pestana.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as tags , . ligação permanente.

8 Responses to Um dia que começou bem e acabou mal – parte II

  1. Mozilla Firefox 1.5.0.8 Windows XP

    Os teus dias andam muito atribulados, a mim parece-me que qualquer dia vais às trombas a alguém (estou a brincar, eu no teu caso ia :P).
    Tens toda a razão nesta e em outras situações que aqui relatas e olha orbigada por meteres tudo em rebuliço e chatear esses ranhosos todos com as observações e questões pertinentes 😉 Beijocas

  2. Mozilla Firefox 2.0 Ubuntu Linux

    Na minha cabeça vou às trombas a muita gente. Tipo Ally Macbeal, ’tás a ver? ;o) Mas por enquanto sou uma moçoila muuuuito pacata. 😛

  3. vtrain diz:
    Mozilla Firefox 2.0 Windows XP

    A questão é não deixares que te perturbe mas sem deixares de defender e fazer valer os teus direitos (E valores). Se te deixares perturbar e ficares nervosa, irritada ou ansiosa… então estás a perder.
    Vtrain

  4. Paulo Santos diz:
    Internet Explorer 6.0 Windows XP

    Oi.
    Vim parar ao teu blog devido à noticia q escreveste sobre o Clube de Video Oásis. Tiveste uma boa atitude, e gostei da parte em q dizes q s quisesses gravar o filme tinhas sacado da net 🙂

    Mas o q t quero mesmo perguntar é, s sabes qual é a marca dos capacetes d bike q tens na tua foto do blog. Ando à meses a tentar comprar um e não encontro nada d jeito a não ser baldes enormes 🙂 Mas esses q colocaste parecem-m, pelo menos esteticamente, mt fixes.

    Obrigado

  5. Mozilla Firefox 2.0.0.1 Ubuntu Linux

    Olá Paulo,

    Se estás a falar de uma foto de mim própria a usar um capacete de bike, comprei-o na Decathlon de Alfragide. Acho que era o único assim, com aquela forma e a cor discreta. 🙂 E era um preço simpático para o tipo de uso esperado (talvez uns 15 €). É fixe, embora às vezes sinta que pareço um cogumelo ou um alien. 😛 Mas nunca usei outros antes, e os modelos mais comuns não me atraem. Aqueles eram mesmo da marca Decathlon, por isso só os encontras lá.

    Boas compras!

    Ana

  6. Paulo Santos diz:
    Internet Explorer 6.0 Windows XP

    Não sei s nessa foto q referiste tb tens o capacete q mencionei, mas a fotografia q m refiro é a q está no cimo do teu blog, onde tens o nome “bananalogic”. São os capacetes q estão pendurados nos guiadores. Sabes a marca deles?

    Obrigado pela resposta e desculpa s não fui mt claro na primeira msg.

    Paulo

  7. Mozilla Firefox 2.0.0.1 Ubuntu Linux

    Estava a pensar noutra, mas até foi erro meu, na que me lembrei até estou com o capacete do Lisboa Bike Tour, de estilo típico. Mas sim, referia-me aos capacetes que se vêem pendurados nas bikes na foto do banner! 🙂

  8. Pingback: Chulos e sabotadores da era digital at b a n a n a l o g i c

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.